ERAM OS GATOS ASTRONAUTAS

Um lugar para se falar de assuntos variados, mas principalmente relacionados à cultura pop.

quinta-feira, 20 de agosto de 2020

Por que se diz que o homem come a mulher?

       O antropólogo Claude Lévi-Strauss escreveu sobre os nativos do sul do Brasil, cuja língua inclui um verbo que significa ambos "comer" e "copular". Da mesma maneira, ele notou que as mulheres Pueblo davam à luz sobre um monte de areia quente, a fim de transformar a criança por nascer em uma "pessoa cozida". (CRUMPACKER. 2006, p. 80).



       Este artigo foi originalmente publicado em 2015, no meu antigo blog. Na época, o que me motivou a escrevê-lo foi o quadro da sexóloga Laura Muller no programa Altas Horas, que foi ao ar no dia 09 de maio daquele ano. Mais especificamente, o momento em que uma moça perguntou "por que o homem come a mulher, sendo que, fisicamente, é o contrário?" e obteve como resposta da sexóloga um "é o que se diz no popular", emendado com "não acha que tem um machismo nisso?" (não exatamente com essas palavras).


A sexóloga Laura Muller no programa Altas Horas. Foto retirada daqui.


       Pois bem, não pretendo discutir, aqui, a respeito do fato de que, aparentemente, todas as coisas contemporaneamente vem sendo justificadas como devidas à Santíssima Trindade constituinte do opressivo e vingativo deus chamado Capitalismo, isto é, o Machismo, o Racismo e a Homofobia LGBTfobia. Entretanto, não sei se por preguiça de se fazer uma pesquisa a fundo ou se movidas pela mesma comodidade de pensamento que faz alguém, de qualquer religião que seja, dizer que tal coisa é assada ou cozida porque tal divindade quis, muitas pessoas procuram resumir tudo à Santíssima Trindade Capitalista, quando, na verdade, a explicação é outra.
       No caso do porquê de se dizer que o homem come a mulher, e não o contrário, é preciso, primeiramente, ter em mente que, da mesma forma que o papel higiênico não existia na pré-história, determinadas denominações não são pétreas, oriundas de tempos pré-históricos ou apenas muito antigos, mas sim surgiram e/ou foram aprovadas em convenções da área científica à qual correspondem.
       Portanto, nem sempre os tais pequenos e grandes lábios foram assim chamados, aliás, a vulva e, mais especificamente, o conjunto dos lábios também recebe o nome de "ninfa" (LAGE) ou apenas os pequenos lábios são assim chamados (SIMÕES et al. 2014, p. 62) - e esse termo, nymphae, nem sempre se referiu a essa parte da vulva, visto que, na Antiguidade, escritores como Galeno utilizavam-no para se referir ao clitóris ou ao hímen (MOTHERBY; WALLIS. 1795. p. 538), enquanto Aécio chamava a nymphae de alae (MOTHERBY; WALLIS. 1795. p. 38).


Labia majora (grandes lábios) e Labia minora (pequenos lábios).


       Por qual motivo estamos falando de grandes e pequenos lábios? Porque a pergunta da moça carrega um "fisicamente o contrário", dando a entender que a base do sentido conotativo do verbo "comer", para ela, é a nomenclatura da anatomia vulvar, a qual, ao discriminar as partes mais externas da vulva em lábios, inevitavelmente, estabelece um comparativo entre o aparelho genital feminino e a boca, dando a entender que a utilização popular do verbo comer para se referir ao ato sexual teria como base isso, tendo sido "roubada" pelos homens, que, assim, estariam desapropriando as mulheres desse "poder".
       Entretanto, as nomenclaturas anatômicas foram difusas por muito tempo, Borba (2011) nos informando que "a primeira tentativa de unificar e criar uma nomenclatura anatômica internacional ocorreu em 1895". E essa nomenclatura relativa ao aparelho genital feminino é "recente", advindo do latim moderno labia minora (singular labium minus) e labia majora (singular labium majus), respectivamente datadas em 1781 e 1813 (HARPER).
       O que quero dizer é: a utilização do verbo "comer" (do latim comedere) com o sentido de "possuir sexualmente outra pessoa" ou "copular com outrem de maneira ativa, isto é, mediante a introdução do pênis" não tem origem na terminologia relacionada à vulva e tampouco se baseia na comparação "moderna" da genitália feminina com uma boca (ainda que exista uma comparação antiga, através do tema da "vagina dentada"). Basicamente, essa utilização pode ser uma herança ameríndia.
       Há registros da já mencionada utilização do verbo "comer" entre ao menos um povo indígena em território brasileiro e outro fora, sendo que tais registros encontram-se presentes na religiosidade ou mitologia deles. O povo indígena amazônico e brasileiro em questão é conhecido como araweté, expressão inventada por um sertanista, se autodenominando bi'de (RISÉRIO. 1992, p. 28). Quanto ao outro povo, trata-se dos conhecidíssimos astecas.
       Entre os araweté - que pertencem à família linguística tupi-guarani, vivem no Pará e acreditam que suas almas são devoradas pelos deuses após a morte e ressuscitadas como seres divinos - tem-se:


(...) os araweté discrepam aqui do modelo geral.. Concebem as relações deuses-humanos por um sistema masculino - só os homens podem: controlar a excorporação; ir ao céu e voltar vivos; permanecer lá sem ser devorados. Ao contrário do que acontece em outras sociedades, da kadiwéu à araucana, o estatuto do xamã é aqui vedado às mulheres. E aqui se desvela um aspecto curioso da cultura araweté. Impedidas de se tornar xamãs, as fêmeas não podem compor canções xamânicas. Impedidas de guerrear, não podem compor awi maraka. Em suma, mulheres não criam cantos (resta-lhes, como se verá, o universo paródico). Se ousassem cantas, conversar com os Mai, "eles lhes quebrariam o pescoço". As mulheres são apenas a "comida predileta" dos deuses, em sentido gastronômico (canibalismo divino) e sexual (os araweté usam o verbo "comer" para relações sexuais). Comenta Viveiros: "Às mulheres não resta senão calar na terra e serem comidas no céu". (RISÉRIO. 1992, p. 34)


       Deste modo, o ato de ser divinamente comido, aí, implica ter a alma ressuscitada como ser divino e eternamente jovem (CASTRO. 2003) - transformação à qual todas as mulheres araweté parecessem estar destinadas, visto que são a comida predileta dos deuses. Nota-se um androcentrismo na cultura araweté e, ao mesmo tempo, uma sacralização da mulher, visto que somente a elas é dada a certeza de transformação da sua condição de "ser abandonado" para o status de Hete Mai (deus verdadeiro), enquanto os homens devem se tornar matadores para conseguirem o mesmo.


Itzpapalotl (Borboleta Obsidiana), um dos cervos de duas-cabeças.


       Quanto aos astecas, há o Mythe du Cerf à Deux Têtes (Mito do cervo de duas cabeças):


(...) cujos protagonistas são Mimix e Xiuhniel, da linhagem do deus do norte, Mixcoatl, Serpente-de-Nuvens. Durante uma caçada, Mimix e Xiuhniel vêem um cervo de duas cabeças transformar-se em duas mulheres. "Venham beber, venham comer" gritam elas aos caçadores, de início perplexos e depois entusiasmados. "E eis que Xiuhniel bebe o sangue, deita a mulher no chão e se põe por cima para enfiar-se nela; morde-a, perfura-a e depois grita para Mimix: 'Vou embora, comi o que me pertencia.' E a outra mulher ajeita-se para chamar (...) Mimix mas ele não responde; faz fogo com dois pedaços de pau, orienta o fogo e nele se precipita junto com a mulher. Durante toda a noite e metade do dia seguinte ela lhe faz companhia." (NOUHAUD. 2005, p. 177).


       Mais adiante, no mesmo artigo em que apresenta o mito [01], Nouhaud (2005, p. 177) diz que:


A psicanálise explica os significados indubitavelmente sexuais de beber e comer (este último verbo conservou na gíria de certos países latino-americanos o mesmo significado) que abrem estranhos caminhos ao conhecimento de terríveis divindades astecas, sempre sedentas e famintas.


       Com isso, naturalmente, o Brasil (lar dos araweté) e o México (outra a terra dos astecas ou mexicas), no mínimo, teriam que manter na gíria de suas respectivas línguas a utilização do verbo comer com sentido sexual, mesmo que tal utilização se mostrasse restrita a apenas uma região. Acontece que, no Brasil, o uso é generalizado e, aparentemente, antigo. Digo "aparentemente antigo" porque, até agora, o registro mais antigo que eu encontrei de tal utilização se dá na revista teatral "Me leva meu bem", do jornalista, cronista, professor e teatrólogo Joracy Camargo, com colaboração de Pacheco Filho, datando de 1925 (ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS).
       Embora o ano de 1925 possa não parecer merecedor do adjetivo "antigo", pode-se fazer uma analogia com o verbo "transar", que "já se encontra já no final do século 19 em espanhol, que possivelmente o criou, e passou a ser frequente no português brasileiro no final da década de 60, do século XX, com o sentido neutro (e técnico) de negociar" (VIARO. 2011), sentido esse que, naturalmente, se modificou e "o sentido mais vago começa a ficar cada vez mais frequente no fim da década (de 70)" (VIARO. 2011), embora, como Viaro (2011) informa, o sentido sexual timidamente apareça antes do fim da mesma década, começando a se tornar corriqueiro, tornando obsoleta a utilização de complementos desambiguadores, a partir de 1983, o seu prevalecimento ocorrendo em 1985.
       Assim, se considerarmos que "transar" se tornou frequente no português brasileiro em fins da década de 60 do século XX, ganhando sentido sexual antes do fim da década seguinte e a plena aceitação dessa conotação somente ocorrendo na década de 80, poder-se-ia dizer, que, dada a aparente difusão do sentido chulo do verbo "comer" no período de 1920-1930 [2], então, no mínimo, o verbo já estaria sendo utilizado com tal sentido em meados da década de 10 do mesmo século. O problema aqui com a tese da herança ameríndia é que os arawetés "somente entraram em contato com os 'brancos' em 1976" (RISÉRIO. 1992, p. 28).
       Portanto, para que no Brasil houvesse uma utilização sexual do verbo comer antes de 1976, como havia, no mínimo a partir do começo do século XX, pelo menos outra população indígena deveria empregar essa conotação - e ela necessariamente teria que ter estabelecido um contato firme com o "branco" no século XIX ou antes.


Mulher arawté e sua filha.
Foto: Eduardo Viveiros de Castro, 1991.
Disponível em: Instituto Socioambiental - ISA.


       Ou é isso ou tem-se que assumir que, em algum momento anterior ao século XX, os arawetés - que já eram limitadamente conhecidos e contatados antes do ano de contato definitivo e que conhecem o homem branco há muito tempo, visto que há referências ao branco e uma divindade chamada "Pajé dos Brancos" na sua mitologia (CASTRO. 2003) - transmitiram essa utilização do verbo para algum grupo de "brancos" com o qual entraram em contato e tais pessoas encarregaram-se de disseminar o uso.
       Acontece que, da mesma forma que o português brasileiro não é o único idioma neolatino na América do Sul a se utilizar de uma conotação sexual para o verbo "comer" [3], os astecas - por meio do mito anteriormente mencionado, ao menos - e os arawetés não são os únicos povos a fazer o mesmo.
       No caso, Passetti (2004), além de nos informar que:


Não foi o acaso que fez com que a palavra comer significasse, além de ingerir comida para alimentar-se, transar, copular, comer alguém. Mas comer alguém pode significar, além de tudo, degluti-lo, ingerir sua carne feito canibal num festim antropofágico. O fato é que alimentar-se e manter relações sexuais tem a ver com a vida. Além de se traduzirem nos prazeres da carne, são atos indispensáveis à reprodução da espécie e se, no imaginário asséptico, seriam atos superáveis por formas artificiais de reprodução - dos alimentos sintéticos à clonagem -, à prática vegetariana seria um progresso civilizatório. [...] (p. 104).


       Também nos diz que:


Contudo, a palavra comer tem esse duplo sentido não só no português, mas em muitas outras línguas, inclusive em diversas indígenas. Claude Lévi-Strauss alerta para o fato que "entre as regras de casamento e as proibições alimentares existe, em primeiro lugar, uma ligação de fato". Ele exemplifica a afirmação com o caso dos maridos entre os Tikopia e os Nuer (povos que vivem em locais bem distantes um do outro) não comerem os animais e as plantas proibidas às suas mulheres, pois o alimento ingerido contribuiria para a formação do esperma e, agindo assim, evitariam introduzir o alimento proibido no corpo da mulher durante o coito. Conclui que "essas aproximações nada mais fazem que ilustrar, em casos particulares, a analogia profunda que, em todo o mundo, o pensamento humano parece fazer entre o ato de copular e o de comer, a tal ponto que um grande número de línguas os denominam com a mesma palavra". Os exemplos se multiplicam, mas bastam mais dois: em yoruba, conta Lévi-Strauss, um mesmo verbo refere-se a comer e copular e, "na língua dos Koko yao, da península do Cabo Iorque, a palavra kuta kuta tem o duplo sentido de incesto e canibalismo, que são as formas hiperbólicas da união sexual e do consumo alimentar". (PASSETTI. 2004, p. 104-5).


       Observemos duas coisas na informação dada pela autora, citando Lévi-Strauss ou não: 1) diversas línguas, em todo o planeta, se utilizam dessa polissemia do verbo "comer"; 2) a língua yoruba (ou ioruba) é utilizada como um dos exemplos dados. "Tá, mas e daí?" E daí que, bem, primeiramente, o leque de possibilidades para a origem desse duplo sentido na língua portuguesa se amplia, sobretudo, se considerarmos o período em que Portugal foi um império global e, em segundo lugar, passa-se a ter tal conotação como uma herança africana, visto que o povo ioruba forneceu parte do elemento de origem africana que constitui a população brasileira.


Livro disponível para download em: BrasiliaBooks.


       Uma questão que fica é:"quais as outras línguas que possuem essa utilização?" Bem, investigando na Internet, o que descobri foi que a língua inglesa utiliza o verbo "eat" (comer) ou "eat out" com uma conotação sexual bem específica, significando "fazer sexo oral em" [4], e que, em espanhol, há a as seguintes ocorrências sexuais do verbo "comer":

1 - em expressões como "comeviejas" (come-velhas,  comedor de velhas), tal como informado pelo usuário Adolfo Afogutu, do Uruguai, no fórum Word Reference e, jogando tal expressão no Google, é fácil encontrá-la;

2 - no Chile e na Colômbia, sendo mais comum a forma pronominal do verbo, isto é, "comerse", segundo o Wiktionary e, no tocante à Colômbia, María Victoria Uribe Alarcón na página 116 do livro "Antropología de la inhumanidad: un ensaio interpretativo sobre el terror en Colombia".

       Além disso, prosseguindo com a demonstração de inexistência de um machismo por trás da expressão, vale dizer que:


Lévi-Strauss observou que "todas as sociedades concebem uma analogia entre as relações sexuais e a alimentação; mas, conforme os casos e os níveis de pensamento, ora o homem, ora a mulher, ocupa a posição do que come e do que é comido" (1970:156), analogia que se manifesta em um grande número de línguas, no nível do vocabulário, em que se aplicam palavras idênticas para designar os atos de comer e de manter relações sexuais (RODRIGUES. 2006, p. 74).


       Ou seja, tão relação é variável e, em tese, pode ocorrer com ambivalência. Além disso, Rodrigues (2006, p.74), ainda citando Lévi-Strauss, também fornece uma lista mais longa de exemplos de palavras e mitos que expressam a relação entre comer e manter relações sexuais, os quais organizo a seguir (incluindo alguns que já foram mencionados):

1 -Língua yoruba/ioruba: certo verbo, que possui o sentido geral de "ganhar" ou "adquirir", é utilizado para expressar "comer" e "casar" [note que isso é semelhante às utilizações do português "pegar" e do espanhol "coger"];

2 - Língua francesa: o verbo consommer se aplica tanto ao casamento, quanto à refeição, algo bem parecido ao português consumar e consumir, ambos derivados do latim consumere (comer, desgastar, desperdiçar), que seria uma das duas possíveis raízes da palavra francesa em questão [5];

3 - Língua dos Koko yao, da península do Cabo York: a palavra katakuta tem o duplo sentido de "incesto" e "canibalismo";

4 - Língua ponapê: a consumição do totem (o animal ancestral de um grupo ou povo) e o incesto são ditos da mesma maneira;

5 - Língua dos mashona e dos matabele (África): a palavra para totem tem o mesmo sentido de "vulva da irmã", estabelecendo uma relação indireta entre o ato de comer e o de copular, mas com uma carga proibitiva, já que não se come o totem nem se transa com a própria irmã;

6 - Língua dos tuparis: são utilizadas as locuções küma ka (comer a vagina) e ang ka (comer o pênis) para designar o coito;

7 - O mesmo ocorre em Mundurucu;

8 - Um mito cashibo que, criado o homem, ele pediu comida e o sol o ensinou a plantar milhos e outras plantas comestíveis. Após isso, o homem perguntou ao pênis o que ele gostaria de comer e obteve "o sexo feminino" como resposta. Rodrigues (2006, p. 74) também menciona o tema da "vagina dentada", encontrado em várias partes do mundo e que parece confirmar a hipótese dessa relação, sendo que, além disso, demonstra que a expressão dessa relação ocorre em ambas as partes e não apenas pelo lado masculino.


O tema da vagina dentada é antigo.
Embora tenhamos uma vagina com uma cabeça monstruosa e cheia de dentes nesta imagem, a "Noiva de Cristo" de Santa Hildegarda trata de outra coisa, mas, para maiores detalhes, recomendo o texto "St. Hildegard's Unsettling Vision of the Bride of Christ".


     Assim, nos deparamos com as seguintes possibilidades quanto à origem da conotação do verbo comer na língua portuguesa (e que fique claro que esta parte é especulação):

1) enquanto herança indígena, provavelmente adquirida oralmente e durante o vasto período em que a língua geral e o nheengatu predominaram no Brasil;

2) enquanto herança africana, sobretudo, ioruba/nagô e como uma adaptação da noção do casar presente no verbo em questão da língua ioruba, visto que, em épocas passadas, "sexo (teoricamente) só casado e, se fosse feito antes, implicava (se descoberto, claro) na obrigatoriedade do casamento", de modo que a gradual perda desse costume e a maior liberação sexual da sociedade brasileira foram contribuindo para transformar o "comer" como sinônimo de "casar" em "comer" como sinônimo de "transar";

3) dupla herança, mediante a convergência da utilização africana e indígena;

4) herança indígena com entrada na língua portuguesa por intermédio da língua espanhola falada nas Américas, sendo mais provável que tenha ocorrido durante o período da União Ibérica, embora o contrário (a entrada dessa conotação no espanhol através do português) também seja possível.

     Portanto, e retomando tudo o que foi visto, pode-se ter certeza que:

1) a origem da conotação sexual do verbo "comer" não tem nada a ver com a terminologia das partes constituintes da genitália feminina, terminologias essas que são, como demonstrado, mais recentes que a conotação analisada;

2) considerando o elevadíssimo índice de analfabetismo no país, que passava de 70% no começo do século passado, o surgimento e a difusão dessa utilização, de certo, se deu por via oral;

3) Essa conotação está muito mais relacionada com populações não-europeias. Entretanto, embora já se tenha visto que essa conotação, em outros idiomas, pode ocorrer tanto de modo a ter o homem como "o que come" quanto a ter a mulher em tal papel, resta saber o porquê de, no português brasileiro, o papel ativo caber ao homem - embora uma mulher também possa exercê-lo, no contexto do lesbianismo (ex.: Então, Lúcia, é você que come a Tânia ou ela que te come?), ou, mais recentemente (creio eu), num contexto em que ela se encontra munida de certos acessórios ou recursos (dildo, strap on ou mesmo o próprio punho...) para sodomizar o seu parceiro do sexo masculino.

     Quanto a essa questão remanescente, seria muito, muito fácil apontar o dedo e acusar tal ocorrência como um produto de uma sociedade machista e não sei mais o quê, entretanto, penso e defendo que não seja por causa disso, e o digo por um motivo bem simples: o verbo "comer", em português ou espanhol (bem como o eat, do inglês, e o equivalente árabe para tal verbo), possui muitas outras conotações, dentre as quais, a de "corroer, destruir" e outros termos nesse sentido. Essa noção pode ser vista em frases tais "o ácido comeu toda a mesa" ou "só a gasolina já basta pra comer todo o meu salário", de modo que arrisco a dizer que a ideia por trás da conotação em questão ter o homem como elemento ativo (ou a mulher, nas situações já descritas) seria a de que (dando o exemplo "homem-mulher"), ao "comer" a mulher, o homem a estaria desgastando, destruindo a genitália dela com a sua [6], tal como uma perfuratriz faz com o solo ou o pica-pau com a madeira.




     Assim, penso que seja válido afirmar que (no Brasil, ao menos) se diz que o homem come a mulher porque, num dado período, ele introduzir-lhe o pênis era o mesmo que ele corroer-lhe a condição de "intocada", "pura", "virgem", destruindo-lhe o lacre e a garota, que passava a ser mulher, esposa e, possivelmente, mãe. Curioso é perceber que toda essa noção relacionada com o casamento, que acabou sendo estendida, também se relaciona, de certo modo, com o "simbólico canibalismo cristão" do casal que se torna dois numa só carne...





NOTAS

[1] De acordo com Willard Gingerich (1988), seriam dois cervos de duas cabeças, Itzpapalotl e Chimalman, que assumiam temporariamente a forma de mulheres para seduzirem os homens. Como cervos, aproximaram-se de Xiuhnel e Mimich, duas serpentes das nuvens que haviam se  disfarçado como homens e estavam caçando em terras sagradas (as do norte). Uma vez que assumiram forma feminina, uma seduziu Xiuhnel, que bebeu, comeu e se deitou com ela, sendo devorado pela mesma - o que fez com que Mimich não atendesse ao chamado da outra, Itzpapalotl, e acendesse uma fogueira, para dentro da qual se lançou, sendo seguido por ela e perseguido até o meio-dia do dia seguinte, quando caiu em cima de um cacto. Ela caiu logo em seguida e ele atirou nela repetidas vezes.

[2] Ao menos entre o teatro de revista e seu público, visto que, segundo Solnik (2013) a Revista Antropofágica, editada de 1928 a 1929, não registra a conotação sexual do verbo comer, utilizado em sentido (cultural e artisticamente) antropofágico.

[3] O 
Wiktionary em inglês relata que "comer", em espanhol, possui duplo sentido (double entendre), no México, significando "ter intercurso sexual" e explicado que isso se daria por conta da semelhança com o verbo "coger", que, segundo outra página do Wikitionary em inglês, significa "pegar; coletar, pescar; capturar; imitar, aprender (na Espanha); transar (Argentina, Paraguai, México, América Central, sendo que a forma alternativa "cojer" seria utilizada na Argentino, no México e na Venezuela); escolher uma direção ou rota (Espanha); dirigir-se a (Espanha); embarcar (Espanha)".O mesmo Wiktionary em inglês relata que "comer", em espanhol e em português, pode ser usado como verbo transitivo, no contexto do xadrez e outros jogos de tabuleiro, significando "capturar uma peça". Tais informações também se encontram em pelo menos outro site em inglês, o Wordsense.

[4] É curioso observar que, recentemente (2019 em diante, talvez), com a imensa popularização do site de vídeos pornográficos chamado XVideos entre os brasileiros, passou a ter uma grande incidência da utilização de "eat" e "eating" com o mesmo sentido que "comer" e "comendo" são utilizados em português.

[5] A outra possível origem, segundo o Wiktionary, seria o latim consummare, que outra possível origem do português "consumar", de acordo com o site especializado em etimologia "Origem da Palavra".

[6] Já ouviram os termos "foló", "arrombado(a)" e similares em oposição a "apertadinha", "cabaço" e outros? Então...





REFERÊNCIAS

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Bibliografia. In:___. Joracy Camargo. Disponível em: <http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=712&sid=303>. Acesso em: 11 mai. 2015.


ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Bibliografia. In:___. Joracy Camargo. Disponível em: <http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=717&sid=303>. Acesso em: 11 mai. 2015.


ALARCÓN, Maria Victoria Uribe. Antropologia de la inhumanidad: un ensayo interpretativo sobre el terror en Colombia. 2ª ed. Ed. Uniandes - Universidad de los Andes. 18 set. 2018, 140 p. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=6y2RDwAAQBAJ&pg=PA116&lpg=PA116&dq=el+verbo+comer+significa+tener+sexo&source=bl&ots=ZNdPyMYJ4P&sig=ACfU3U0p6Gj29kP3-84mBBq3FF1w2Q2U-Q&hl=pt-BR&sa=X&ved=2ahUKEwii09PU64fpAhW1BtQKHWjLAmoQ6AEwA3oECAgQAQ#v=onepage&q=el%20verbo%20comer%20significa%20tener%20sexo&f=false>. Acesso em: 20 ago. 2020. p. 116.


AN-ALFABETO. Hombre al que le gustan las mujeres mayores que el. Publicado em: 11 abr. 2012. Disponível em: <https://forum.wordreference.com/threads/hombre-al-que-le-gustan-las-mujeres-mayores-que-%C3%A9l.2396751/>. Acesso em: 20 ago. 2020.


BORBA, Anderson. Terminologia Anatômica. Disponível em: <http://cienciasmorfologicas.webnode.pt/introdu%C3%A7%C3%A3o%20a%20anatomia/terminologia-anatomica/>. Acesso em: 10 mai. 2015.


CASTRO, Eduardo Viveiros de. Cosmologia e xamanismo. In: Povo Indígenas no Brasil: Araweté. mai. 2003. Disponível em: <http://pib.socioambiental.org/pt/povo/arawete/110>. Acesso em: 10 mai. 2015.


CASTRO, Eduardo Viveiros. Histórico do contato. In: Povos Indígenas no Brasil: Araweté. mai 2003. Disponível em: <http://pib.socioambiental.org/pt/povo/arawete/95>. Acesso em: 11 mai. 2015.


CRUMPACKER, Bunny. The sex like of food. 2006. Disponível (parcialmente) em: <https://books.google.com.br/books?id=o6XwQrrEK5UC&hl=pt-BR&source=gbs_navlinks_s>. Acesso em: 12 mai. 2015.


DAMATTA, Roberto. Texto VII - Sobre comidas e mulheres. In: Café Filosófico - Pensando bem a arte e a cultura. UFJF, 2012. Disponível em: <http://www.ufjf.br/pensandobem/files/2012/02/texto-VII-2012.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2020.


GINGERICH, Willard. Three nahuatl hymns on the mother archetype:an interpretive commentary. In: Mexican Studies/Estudios Mexicanos, Vol. 4, No. 2, Verão, 1988, p. 191-244. Publicado pela University of California Press on behalf of the University of California Institute for Mexico and the United States e pela Universidad Nacional Autónoma de México. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/249979262_Three_Nahuatl_Hymns_on_the_Mother_Archetype_An_Interpretive_Commentary>. Acesso em: 20 ago. 2020.


GINGERICH, Willard. A performance translation of the nahuatl "wisdom-discouse fables" from the Manuscript of 1558. In: Estudios de Cultura Nahuatl, Vol. 28, Universidad Nacional Autónoma  de México - UNAM, 1998, 462 p. Disponível em: <http://www.historicas.unam.mx/publicaciones/revistas/nahuatl/pdf/ecn28/546.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2020.


HARPER, Douglas. Labia majora. In: Online Etymology Dictionary. Disponível em: <http://www.etymonline.com/index.php?term=labia+majora&allowed_in_frame=0>. Acesso em: 10 mai. 2015.


HARPER, Douglas. Labia minora. In: Online Etymology Dictionary. Disponível em: <http://www.etymonline.com/index.php?term=labia+minora&allowed_in_frame=0>. Acesso em: 10 mai. 2015.


LAGE, Leila Marinho. Vaginalmente falando - Cap II - Etimologia e semântica em ginecologia. Disponível em: <http://www.clubedadonameno.com/tmedicos/mostra_temas_medicos.asp?id=47>. Acesso em: 10 mai. 2015.


MERENGUÉ, Devanir. Editorial. In: Rev. bras. psicodrama. Vol. 20. No. 1. São Paulo, jun. 2012. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-53932012000100001>. Acesso em: 20 ago. 2020.


MORMITO, Amanda. O estranho vocabulário da azaração local. Publicado em: 27 ago. 2012. Disponível em: <http://www.buenosairesparachicas.com/2012/08/o-estranho-vocabulario-da-azaracao-local.html>. Acesso em: 20 ago. 2020.


MOTHERBY, George; WALLIS, George (M.D.). A new medical dictionary; or, general repository of physic. J. Johnson: London, 1795. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=9yNhAAAAcAAJ&dq=the+person+that+named+this+vaginal+part+as+nymphae+was&hl=pt-BR&source=gbs_navlinks_s>. Acesso em: 10 mai. 2015.


NOUHAUD, Dorita. Coatlicue, a deusa-mãe. In: BRUNEL, Pierre et al. Dicionário de mitos literários. Tradução: SUSSEKIND, Carlos. 4ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2005. p.176-185.


ORIGEM DA PALAVRA. Origem da palavra consumismo. 16 dez. 2010. Disponível em: <https://origemdapalavra.com.br/palavras/consumir/>. Acesso em: 20 ago. 2020.


ORIGEM DA PALAVRA. Relação entre palavras - Consumar. In:___. Consultório etimológico. 21 mar. 2014. Disponível em: <http://origemdapalavra.com.br/site/pergunta/relacao-entre-palavras-3/>. Acesso em: 12 mai. 2015.


PASSETTI, Dorothea Voegeli. Canibal. In: Verve. n.6, 2004. p.103-126. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/verve/article/viewFile/5007/3549>. Acesso em: 11 mai. 2015.


REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Comer. In: Dicionario de la lengua española. Disponível em: <https://dle.rae.es/comer?m=form>. Acesso em: 20 ago. 2020.


RISÉRIO, Antônio. Palavras canibais. In: Revista USP: Amazônia. n 13. mar/abr/mai 1992. 201Disponível em: <http://www.usp.br/revistausp/13/04-riserio.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2015.


RODRIGUES, José Carlos. Tabus do corpo [online]. 7 ed. rev. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2006. Antropologia e saúde collection. 154 p. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=-hT0AgAAQBAJ&pg=PA10&lpg=PA3&focus=viewport&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 12 mai. 2015.


SIMÕES, Ricardo Santos et al. Etimologia de termos morfológicos. São Paulo, 14 abr. 2014. Disponível em: <http://www2.unifesp.br/dmorfo/Prof%20Manoel%20Histologia/Dicionario%20etimologico.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2015.


SOLNIK, Alex. No tempo da antropofagia, o verbo comer não tinha conotação que tem hoje. Publicado em: 01 out. 2013. Atualizado em: 01 out. 2013. Disponível em: <http://brasileiros.com.br/2013/10/no-tempo-da-antropogagia-o-verbo-comer-nao-tinha-conotacao-que-tem-hoje/>. Acesso em: 11 mai. 2015.


TOLEDO, Carolina Rossetti. A sexualidade vigiada. In: USP. Revista Anagrama. Ano 2. 2ª ed. dez 2008/fev 2009. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/anagrama/article/view/35354> e em <http://www.revistas.univerciencia.org/index.php/anagrama/article/viewFile/6299/5717>. Acesso em: 10 mai. 2015.


VIARO, Mário Eduardo. As conexões da transa. In. Língua Portuguesa. 2011, Segmento. Disponível em: <http://revistalingua.com.br/textos/66/artigo249084-1.asp>. Acesso em: 11 mai. 2015.


WIKTIONARY. Comer. Disponível em: <https://es.wiktionary.org/wiki/comer>. Acesso em: 20 ago. 2020.


WIKTIONARY. Consommer. Disponível em: <https://fr.wiktionary.org/wiki/consommer>. Acesso em: 20 abr. 2020.


WORDSENSE. Eat. Disponível em: <http://www.wordsense.eu/eat/>. Acesso em: 12 mai. 2015.


WORDSENSE. أكلDisponível em: <http://www.wordsense.eu/%D8%A3%D9%83%D9%84/>. Acesso em: 12 mai. 2015.

0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

O template usado na construção deste site é o Sophie, desenvolvido pelo @soratemplates