Mestre Kame: sedução e ameaça de estupro como estratégia de combate

       Uma coisa que, infelizmente, parece ter tomado conta do fandom de Dragon Ball em relação à série Super foi o espírito de Social Justice Warrior, visto que uma das características de um personagem da franquia passou a ser veementemente criticada e tratada como algo desnecessário ou digno de vergonha alheia ao invés de ser visto como deveria: uma característica presente nas obras ficcionais japonesas e que, apesar de desagradar o pessoalzinho metido a SJW, não é algo à toa, possuindo coerência, significado e uma contra-faceta. No caso, estou falando do comportamento propositalmente pervertido de Muten Roshi, o Mestre Kame. [1]






       Para começo de conversa, tal comportamento não é exclusivo da personagem, também sendo presente em outros homens idosos do mundo dos mangás/animes, como o Supremo Senhor Kaioh do universo 7 (Dragon Ball) e o Jiraya, também conhecido como "Sábio Tarado" (Naruto), o rico Zenzou Katoura (Katoura-san), o cientista Edward "Ancião" Hamilton (Chrono Crusade), o avô da Rei (Sailor Moon), o mestre de kenpo Kensei Ma (Shijou Saikyou no Deshi Kenichi) e o criador de "artes marciais vale tudo" Happosai (Ramma 1/2).
       Noutras palavras, a retratação de velhos como sendo sujeitos pervertidos chega a ser algo característico dos mangas e animes, não se restringindo ao gênero shonen, que é voltado para homens adolescentes, visto que Sailor Moon é um shoujo (voltado para mulheres adolescentes) do tipo mahou shoujo (guerreira mágica), mas, se formos parar para pensar bem a respeito, não é difícil perceber que essa retração é similar a retratação de japoneses sem olhos orientais, japonesas incrivelmente peitudas e japoneses nem um pouco reservados e japonesas desinibidamente sorridentes ou, ainda, trocadores de contatos físicos como abraços e beijinhos: uma retratação fictícia.


Fonte: Divulgação/IPC Digital.


       Isso porque há toda uma pressão em diversas sociedades para que o idoso tenha um comportamento que nega os desejo sexuais e foca no cuidado dos netos, a fim de não ser estigmatizado como um velho sem vergonha ou pervertido, tal como Cosme Puerto Pascoal explica na página 42 do livro "A sexualidade do idoso vista com novo olhar". Não à toa, o viagra causou uma verdadeira revolução sexual.
       Portanto, pode-se considerar como sendo, no mínimo, um absurdo querer levar essa retratação e o comportamento de tais personagens a sério e como sendo algo terrível, influenciador (no mesmo nível de "se crianças verem um casal homossexual se beijando na televisão, vão ser influenciadas a se tornarem gays") ou sei lá o quê.
       Assim, vamos a um fato que Dragon Ball sempre deixou bem claro quanto à perversão do Mestre Kame e que muitos fãs ou ignoram ou fingem que não veem: ela é uma fraqueza dele, da mesma forma que Goku costumeiramente baixa a guarda e Vegeta é arrogante. Esses defeitos é que ajudam a dar profundidade aos personagens, tornando-os perfeitos.
       Por outro lado, de maneira nem tão implícita, essa característica sempre foi retratada como tendo uma contraparte que a torna uma fraqueza a ser explorada em combate ou outras situações: a sedução feminina, ou melhor, a sedução feita por alguém do sexo pelo qual a personagem possui atração. Como assim?
       Ora, o melhor exemplo disso encontra-se no Dragon Ball clássico, onde a Bulma tenta seduzir o General Blue, do exército Red Ribbon, não obtendo sucesso algum pelo simples fato de ele se sentir sexualmente atraído por outros homens. Bulma também tenta se valer da sedução em Dragon Ball Super, mais especificamente contra Zamasu.




       Mas a sedução como uma poderosa e quase infalível arma não é exclusiva da Bulma e sempre foi retratada em Dragon Ball, vide a lutadora Ranfan (ou Lanfan), que astutamente valeu-se disso no 21º Torneio de Artes Marciais, por pouco não obtendo sucesso contra o lutador Nam, que teve que lutar contra ela de olhos fechados e valendo-se dos seus outros sentidos.
       Portanto, a perversão do Muten Roshi possui um motivo de existir, sendo que Dragon Ball também já retratou algo no sentido oposto: o medo de mulheres, fraqueza possuída pelo então assaltante Yamcha. E se o usuário do Roga Fu Fu Ken ainda tivesse tal medo e também tivesse sido escalado para lutar no Torneio do Poder, certamente que ele teria que fazer um treinamento para superar essa fraqueza tal como o Mestre Kame fez para superar a sua.
       Desta maneira, ao invés de ver a figura da mulher atacada pelo Mestre Kame como frágil e uma simples vítima, deve-se prestar muita atenção ao contexto, considerando-se que muito dificilmente o Muten Roshi viu-se impune por conta da sua mão boba. Na verdade, ele nunca deixou de ser golpeado por um mulher a quem tentou tirar uma casquinha, a cena do treinamento dele com o Pual transformado em mulher não sendo uma exceção, a autodefesa do metamorfo sendo implícita, pois, do contrário, seremos obrigados a admitir que o Mestre chegou a ter uma conjunção carnal forçada com ele - o que é absurdo, pois, se isso chegou a acontecer, como diabos o mentor de Goku conseguiu superar sua fraqueza?
       Por fim, algo que eu vi que passou batido por diversos, ou talvez todos os analisadores dos episódio de Dragon Ball, ou simplesmente foi propositalmente deixado de lado por eles, talvez por não saberem como abordar o assunto, foi a cena em que, no episódio 105 de Dragon Ball Super, o Mestre Kame livra-se da tentativa de sedução feita por Caway, do universo 4, e, em seguida, assume a sua forma bombada e anda ameaçadoramente em direção a ela, que usa a sua capa para cobrir-se principalmente a região das coxas e quadril) e, depois, corre em disparada, gritando que nunca irá conseguir se casar enquanto pula para fora da arena. Após issso, Kuririn, fazendo uma cara desconcertada, diz que "era claro que tudo não passava de uma encenação".  O que tem demais nisso tudo?


A fala do Mestre, de que, como ela tentou seduzi-lo, não poderá se queixar nem um pouco,
seguida pela mão dele, claramente preparada para agarrar algo, aproximando-se cada vez mais
da câmera, até tomá-la por completo antes do corte, são o principal indicativo de que, sim,
ele deliberadamente fez como se fosse pegá-la a força.


E, aqui, temos Caway numa postura nitidamente sexualmente defensiva (braços protegendo os seios - uma das partes do corpo de maior identidade para uma mulher - com a ajuda da capa) gritando um "não" e dizendo que jamais conseguirá se casar, concluindo com um reticente "que perigo", após o que Bills diz que ficou preocupado por um momento (não coloquei essa parte) e Kuririn justifica que estava claro que era uma atuação.


       Simples: se por um lado temos como estratégia utilizada por personagens femininas a sedução na tentativa de fazer um personagem masculino (pressuposto como heterossexual) baixar a guarda, por outro lado, uma abordagem similar partindo de um homem em relação a uma mulher dificilmente teria o mesmo efeito, então a estratégia equivalente seria exatamente o que o Mestre Kame fez, isto é, fingir que está partindo para cima da adversária com uma intenção sexual dominadora [2].
       Sim, é isso mesmo, o Mestre Kame fingiu que "pegaria à força" [3] a Caway, deixando-a apavorada e obrigando-a a fugir. Claro, a afirmação dela de que nunca iria conseguir se casar pode até ser interpretada como uma espécie de afirmação de que o universo dela perderá e, consequentemente, ela será apagada, obviamente, não podendo se casar. Porém, o fato de ela ter se coberto (uma reação defensiva [4]) quando o velho Kame avançou ameaçadoramente contra ela e a frase do Kuririn embasam perfeitamente o que digo.
       Agora, para encerrar de vez o post, quanto a essa atitude do Mestre Kame ser ou não recriminável, deve-se mais uma vez analisar o contexto em que o ato encontra-se inserido: trata-se de uma competição organizada por seres divinos e que coloca a existência de universos inteiros em risco de desaparecimento, o que torna toda a coisa numa verdadeira guerra. Assim, neste caso, é como diz aquele ditado: "no amor e na guerra, vale tudo". Agora, se o episódio tivesse efetivamente mostrado um estupro [5] sem qualquer tipo de recriminação ou punição, aí seria outra história.





NOTAS

[1] Este post foi propositalmente feito para ser publicado nesta data, 06 de setembro, quando se celebra o Dia do Sexo.

[2] Ao ser seduzido, um personagem masculino, geralmente com o nariz sangrando (eufemismo visual para indicar que ele está excitado), parte com tudo para cima da personagem feminina, obviamente com intenções sexuais, mas, diferentemente do que o Mestre Kame bombado fez no episódio em questão, a guarda fica baixa, deixando-o vulnerável - isso pode ser visto no mesmo episódio, quando ele cai na sedução de Caway e quase é atingido pela lança de ki dela.

[3] Não estou procurando ser eufemístico com o uso das aspas e da expressão em questão, só estou tomando certo cuidado porque a palavra "estupro", juridicamente falando, não compreende mais somente a conjunção carnal forçada, ato que estaria implicitamente contida na atuação do Mestre Kame.

[4] Principalmente num contexto sexual ou de violação de intimidade, tal como, por exemplo, se ela tivesse descoberto que estava sendo observada durante o banho e, com um toalha à mão, se cobrisse. Inclusive, se não me falha a memória, cena similar já ocorreu em Dragon Ball, creio que com a Bulma.

[5] No caso, não "apenas" uma conjunção carnal forçada, mas também um "mero" bolinar não autorizado de seios ou nádegas, bem como mão boba não autorizada em outras partes, etc.





REFERÊNCIAS

Cosme Puerto Pascoal. A sexualidade do idoso vista com novo olhar. Disponível em: <https://books.google.com.br/books?id=GIZDh4ewsM0C&printsec=frontcover&hl=pt-BR#v=onepage&q&f=false>

Fábio Schivartche. Professor ensina beijo brasileiro em universidade do Japão. Publicado em: 13 Abr 2008, 07h33; Atualizado no mesmo dia, 07h35. Disponível em: <http://g1.globo.com/Noticias/Mundo/0,,MUL396855-5602,00-PROFESSOR+ENSINA+BEIJO+BRASILEIRO+EM+UNIVERSIDADE+NO+JAPAO.html>

G1, Jornal Nacional. Curso universitário ensina japoneses a dar beijinhos à moda brasileira. Publicado em: 16 Jul 2010, 21h19; Atualizado no mesmo dia, 21h20. Disponível em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2010/07/curso-universitario-ensina-japoneses-dar-beijinhos-moda-brasileira.html>

Rachel Matos. Japonesa responde: por que as mulheres daqui cobrem a boca ao dar risada? Publicado em: 07 Jul 2015. Disponível em: <http://www.ipcdigital.com/nacional/japonesa-responde-por-que-as-mulheres-daqui-cobrem-a-boca-ao-dar-risada/>

Steve. Top 7 velhinhos mais pervertidos dos animes. Publicado em: 17 Jun 2013. Disponível em: <http://anfreak.com.br/top-7-velhinhos-mais-pervertidos-dos-animes/>

Comentários